quinta-feira, 4 de julho de 2013

Voltar...














A ausência vivida
num tempo que passa
nem sempre é despedida,
nem sempre é lacuna,
nem sempre é aceno de ida...
Por vezes é remanso dormido,
por vezes é um cantar calado,
em outros momentos transversos,
são os versos que no sonho hibernam
cultivando as asas para um despertar alado...
E quando as esperas acabam,
e reconhecido é o caminho,
como um desdormir da semente,
há um reflorescer da energia,
relevância da essência
numa luz que se anuncia
no movimento da presença...



imagem: google

3 comentários:

✿ chica disse...

Gostei de ver esse movimento de presença, revoo de volta.. Muito lindo teu poema e me deixa feliz te ver! beijos,não desiste,rs...chica

Elisa T. Campos disse...

É um espanto, Gaivota Dourada
Um retorno tão aguardado.

Palavras não ditas, submersas que ficam na alma do poeta e de repente emergem.

Beijussss

Anne Lieri disse...

Tão linda essa poesia!E é bom reve-la no seu blog!bjs,