terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Gris...


Gris...


Há uma dormência na tarde,
um quase estanque do instante,
quando o céu se pinta de gris...


                                        Plasma-se reflexivo...depois chora!

imagem: chuva

4 comentários:

Raquel Oliveira disse...

Incrível..
pensei nesta dormência hj acredita?
Ficou belo aqui.

bjos

Helena C de Araujo disse...

Maravilhoso poema! Já disse que você tem um jeito de dizer as coisas que até a nostalgia fica suave... Lindo, Te!! Beijos!! (E to aqui brigando com a Internet da Mel... rss... Entra, cai, entra, cai... afff) rsss... Beijão!! A Mel também mandou beijo e disse que adorou o poema!

chica disse...

Muito lindo,Gaivota! Um beijo e tudo de bom,chica

Cris Sousil disse...

TANTAS CORES EM SUA POESÍA. AQUI NADA FICA GRIS, É UM ARCO-IRIS ETERNO!
TE QUIERO MUCHO AMIGUITA!