domingo, 8 de março de 2009

Rumos...


Rarefeitos são os rumos
que se perdem no caminho, 
escondidos permanecem
para os passos da vontade..
A paixão vem no seu turno
cutucar o coração,
que ao pulsar num bate bate
pede os rumos dessa porta...
Mas se negam novamente
ao chamado da verdade,
num desrumo cai o prumo,
e o querer é só resumo
na linha torta da saudade...

imagem: saudade

2 comentários:

Chica disse...

Mais uma maravilha aqui entre rumos,prumos e desrumos...Lindo,gaivota!um beijo e tudo de bom,chica

Helena C de Araujo disse...

Penso que os rumos, por difíceis que possam ser, devem ter como norte a verdade... Se não, os caminhos são perdidos de tal forma que o "viajante" dificilmente se "acha" depois porque confunde-se em seu próprio trajeto de linhas tortas e dolorosas... Perfeito esse poema, Tê...
Ameiii!!
Um beijooo, amiga do coração!