terça-feira, 3 de março de 2009

Um vozerio...


Permanecem incrédulas
as penduradas palavras não ditas,
sabidas benditas num antever,
ficaram retidas nesse espaço do tempo, 
um momento arredio que ficou submerso,
que não se deixou escrever,
nem em prosa, nem em verso...
Mas no reverso dos minutos
se escuta um vozerio,
são as palavras inconformadas
que se agitam nada discretas,
reclamam, protestam e se opõem
à repentina mudez dos Poemas
quando se calam os Poetas... 

imagem: Google

5 comentários:

Chica disse...

Puxa, conseguiste traduzir em versos essa sensação das coisas não ditas que ficam nos "visitando"...Lindo,mais uma vez!beijo,chica

Helena C de Araujo disse...

Dizer o que do teu talento e da tua inspiração?
Cada vez que leio teus poemas, me surpreendo com essa forma linda que você vê e diz as coisas...
Lindoooo demais, Tê!!
Um beijo, minha amiga do coração!

Babes disse...

E tanto que pesam as palavras que amordaçamos...

Que nunca os teus poemas emudeçam!!

Meu beijo

Valentin Mont-Couronné disse...

A verdade é uma coisa increivél como você escreve este poema, fica muito légal em português, eu tento traduzir-lo no espanhol más não fica o mesmo.
Eu também escrevo, se você quizer podê entrar no meu blog enquanto você gosta lir em espanhol.

Cumprimentos e sempre vou visitar o seu blog.

Cris Sousil disse...

Ai ai ai... que obra!
Sabe que adoro o que vc escreve, mas neste casa eu amei, re contra amei, ameeeeeiii... está fabuloso, perfeito em casa palavra, em casa denúncia, a voz poética gritou neste poema com toda a sua potência. Parabéns!!!